Anuncie aqui!
Localizando...
Você está em:  Home  >  Política  >  Artigo atual

Boeing 737 Max apresenta problemas na fiação; empresa considera aumentar dívida


Por   /  6 de janeiro de 2020  /  Sem comentários

SÃO PAULO – Quase um ano após os acidentes que vitimaram 346 pessoas, a Boeing continua trabalhando para resolver os problemas do 737 Max e colocar o modelo no ar novamente.

Mas, segundo o mais recente relatório da auditoria interna da Boeing feito a pedido da Administração Federal de Aviação (FAA, na sigla em inglês), novos problemas podem frustrar o retorno da aeronave ao mercado.

Como reportou o jornal The New York Times, a inspeção da companhia descobriu que dois conjuntos de fios responsáveis por controlar a cauda do avião foram colocados muito próximos um do outro, o que pode resultar em um potencial curto-circuito.

A Boeing está trabalhando para verificar se apenas o curto-circuito poderia levar a uma queda do avião. Um engenheiro da companhia disse anonimamente ao NYTimes que encontrar esses tipos problemas na fiação de aeronaves não é tão incomum e a solução é relativamente simples.

A Boeing confirmou que o conserto é realmente bem simples e rápido. Segundo a companhia, levaria cerca de uma a duas horas por modelo para resolver o problema da proximidade dos fios.

A auditoria interna tem como objetivo determinar se a Boeing avaliou com precisão os perigos dos principais sistemas nos aviões.

Antes dessa nova descoberta envolvendo problemas na fiação, o mais recente software da Boeing foi parcialmente responsabilizado pelos dois acidentes mortais.

Mesmo que correção do software da Boeing ainda não tenha sido aprovada, os reguladores acham que os aviões podem voltar a voar no segundo trimestre desse ano. As companhias American Airlines e a Southwest Airlines planejaram voos comerciais do Max já em abril. O modelo está proibido de levantar voo desde março de 2019.

Sob essas novas suposições, o erro no software era desencadeado pelo curto-circuito da fiação, já que o curto-circuito afeta o estabilizador da aeronave, assim, o software do modelo poderia começar a apresentar falhas e fazer o avião entrar em mergulho.

Porém, as investigações também constataram uma possível fraqueza que poderia causar a ruptura de um dos motores. A Boeing encontrou esse problema de fabricação e diz ter removido esse problemático revestimento do painel que protege o tanque de combustível.

Como apontou o NYTimes, oficiais da FAA acreditam que o avião poderá ser liberado para um voo teste de certificação até o final de janeiro.

Nesse teste a Boeing precisa mostrar que atende a todos os requisitos de segurança e que os problemas relatados até agora foram solucionados. Esse é o exame final do órgão regulador americano e uma das últimas etapas antes do 737 Max sair dos hangares e voltar aos céus.

Crises internas e dívidas em espiral de crescimento

A crise que se instaurou após os dois acidentes com o 737 Max jogou a Boeing em um dos seus piores momentos nos mais de cem anos de existência da companhia. Tanto a governança quanto as finanças acabaram afetadas diretamente. Além disso, a companhia também enfrenta uma série de pedidos de indenização.

No final de dezembro de 2019, a companhia demitiu o antigo CEO Dennis Muilenburg, também por conta da crise de imagem desencadeada pelos acidentes.

O presidente do conselho de administração da companhia, David Calhoun, foi denominado como novo diretor-executivo. Como Calhoun assume apenas no dia 13 de janeiro, Greg Smith, diretor-financeiro da Boeing, está atuando como CEO interino.

De acordo com fontes ouvidas pela Dow Jones Newswires, agência de noticiais americana, a Boeing está considerando aumentar seu volume de dívidas como forma de reforçar o caixa da empresa, abalado pela crise com o Max 737.

A companhia viu seu lucro operacional despencar 97% nos nove primeiros meses de 2019, em comparação com o mesmo período de 2018. Analistas esperam que a Boeing levante até US$ 5 bilhões em dívidas adicionais, para ajudar a cobrir despesas que podem chegar a até US$ 15 bilhões no primeiro semestre deste ano.

A Boeing ainda precisa pagar parte da dívida existente e financiar dividendos para os acionistas, o que deve ser uma missão bem complicada para uma empresa que fechou 2019 com um fluxo de caixa da companhia negativo de US$ 2,89 bilhões.

Mesmo com o cenário financeiro ruim, empresa planeja gastar US$ 4 bilhões na aquisição de participação de 80% da Embraer SA, fabricante brasileira de aviões.

Páginas: 1 2

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

você pode gostar também...

Esforço versus resultado alcançado foi negativo, diz Salim Mattar sobre saída do governo

Leia mais →