Anuncie aqui!
Localizando...
Você está em:  Home  >  Tecnologia  >  Artigo atual

3 recursos de colaboração de vídeo inteligente que ainda precisamos


Por   /  17 de agosto de 2021  /  Sem comentários

videochamada

Recentemente, comecei a assistir Ted Lasso na Apple TV + e o que me fascina é como esta sitcom não se concentra no mau comportamento do personagem principal, mas sim no bom. É mais para ajudar sua equipe a avançar, ajudando os membros da equipe a se tornarem versões melhores de si mesmos.

Isso é surpreendentemente semelhante ao que muitas vezes é ensinado aos principais moderadores, mediadores e árbitros: concentre-se no problema, não na pessoa, na causa, não nos sintomas. As reuniões, principalmente as on-line, podem ser dominadas pela pessoa mais desagradável em uma chamada – com decisões tomadas, não com base no mérito de vários argumentos, mas pela voz mais alta.

Eu chamei isso de método do “maior idiota ganha”.

Também observei que as pessoas em grupos mistos estão ficando muito confortáveis ​​com o uso de linguagem obscena, que pode ser a base de ações hostis no local de trabalho e reclamações de abuso. (Considerando que essas reuniões on-line são frequentemente gravadas, elas fornecem evidências bastante convincentes.)

Então, eu criei três recursos para reuniões colaborativas futuras que devem ajudar.

O ‘Jerk Meter’

“Jerk Meter” (algo como “medidor de idiota”, em tradução livre) não será seu nome final, mas com a computação de conversação ganhando terreno, agora podemos analisar o que uma pessoa está dizendo e determinar o tom e o conteúdo. Deixar um palestrante saber que está parecendo agressivo e dominador deve ajudar a mitigar o problema. Claramente, alguns podem não se importar. Mas a maioria das pessoas com quem falei depois de uma reunião em que isso aconteceu se desculparam e disseram que gostariam que eu tivesse sinalizado isso antes. (Menos problemas para consertar depois.)

Pessoas em todos os níveis podem ter dias ruins, e muitas podem ficar com raiva quando questionados sobre um assunto que não conhecem bem. Nenhum destes casos reflete bem no orador e ambos podem prejudicar relacionamentos críticos.

O objetivo seria deixar o palestrante saber que ele está agindo de forma negativa, prejudicando a natureza colaborativa do esforço (e sua imagem) para que ele pudesse corrigir o problema, ou seu gerente poderia corrigi-lo, com danos mínimos.

Moderação automatizada

Sou âncora de notícias e moderador treinado – e moderar um evento on-line é muito mais complexo do que precisa ser. Você deve monitorar pelo menos duas janelas de feedback, ouvir e manter os palestrantes no caminho certo, fomentar a discussão e, ao mesmo tempo, trabalhar para tornar o conteúdo resultante agradável. Eu não vi ninguém fazer isso bem. É simplesmente demais para administrar.

O ideal é que o moderador analise os comentários e perguntas para avaliar o interesse e direcionar a discussão para maximizar o envolvimento. Muitos não conseguem nem acompanhar as perguntas, muito menos o resto das responsabilidades, que podem incluir o gerenciamento de slides. Muito disso poderia ser moderado com inteligência artificial usando um front-end de IA conversacional ou fornecendo um painel para o moderador que organiza as informações e fornece um tempo de palestra para manter as coisas sob controle.

Eu estava em uma ligação outro dia em que o moderador quase desistiu quando um palestrante saiu do assunto por tanto tempo que tive que intervir e dizer à pessoa para se concentrar no assunto. Outro palestrante ficou tão chateado que começou a gritar com o cara para “calar a boca” – a coisa toda saiu dos trilhos.

É por isso que precisamos de um conjunto focado de ferramentas para ajudar os moderadores a manter as discussões em andamento, focadas e interessantes.

Polinização cruzada entre equipes

Particularmente em grandes empresas, você pode ter vários grupos trabalhando em esforços semelhantes que não têm conhecimento uns dos outros. De certa forma, isso pode permitir que uma solução melhor surja. Mas, na maioria das vezes, isso resulta apenas em esforços redundantes e erros repetitivos evitáveis. Assim como serviços como Netflix e Amazon extrapolam interesses com base no comportamento, uma IA poderia monitorar reuniões quanto ao conteúdo padrão e, em seguida, relatar a ambos os grupos suas atividades de pares.

Isso provavelmente precisaria ser opt-in por motivos políticos ou poderia atrapalhar a inovação. Mas poderia estimular a colaboração, fomentar as discussões entre os grupos e reduzir a redundância, ao mesmo tempo que melhorava o acesso a especialistas internos e externos disponíveis exclusivamente para cada grupo.

Há alguns anos, fui responsável por uma licitação que nos levou a escolher um novo escritório de contabilidade; Então, recebi uma ligação direta de nosso CEO me dizendo para reverter a decisão. Aparentemente, a antiga firma de contabilidade era nosso maior cliente, algo que seria bom saber. (O lado de vendas da empresa sabia disso, mas não o lado de operações. O departamento de vendas poderia ter fornecido essa informação crítica antes que nosso CEO concluísse que eu era um idiota.)

Por mais que as pessoas estejam conectadas a interesses em aplicativos como Facebook e Pinterest, esse tipo de sistema permitiria que as pessoas de forma aberta e automática, com base no que discutem, aprendam sobre as atividades em suas áreas de interesse. Dessa forma, elas poderiam avaliar conforme necessário, e outras pessoas que tomam decisões não teriam problemas por coisas que não sabiam.

É necessária uma colaboração mais inteligente

Fizemos avanços incríveis com a melhoria rápida dos sistemas de colaboração, mas muitos dos problemas antigos com os esforços de colaboração tradicionais permanecem em vigor. Temos tecnologia para melhorar nosso desempenho em reuniões ao longo do tempo, automatizar ou melhorar a moderação e conectar melhor os grupos atualmente desconectados.

Existe até algo como o Watson Assistant da IBM, que pode responder a questões de política e estratégia durante uma reunião. (Divulgação: a IBM é cliente do autor.) Muitas vezes, as perguntas não são respondidas pela pessoa mais experiente da mesa, mas pelo líder mais desagradável ou sênior. Watson poderia conduzir a conversa para o melhor resultado.

Estamos prestes a levar os sistemas de colaboração muito mais longe do que nunca. É hora de transformá-los nos motores de produtividade que podem ser.


Infoeconomico

Fonte: Computer Word

você pode gostar também...

Microsoft contrata ex-Uber para reforçar estratégia consumer do Teams

Leia mais →